Pesquisar

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Em sessão 'atípica', Câmara pode cassar prefeito de Cornélio Procópio

Está agendada para hoje, a partir das 18 horas, na Câmara de Vereadores de Cornélio Procópio (Norte Pioneiro), a sessão de julgamento que pode cassar o mandato do prefeito Fred Alves (PSC). O futuro do chefe do Executivo depende do resultado da votação no Legislativo, onde a maioria dos parlamentares faz oposição política ao prefeito. A votação será aberta. 
Segundo a presidente da Câmara, Angélica Olchaneski (PSDB), a sessão de hoje é "atípica, inédita para a gente". Em razão disso, já foi solicitado reforço na segurança com a presença da Polícia Militar, que deve orientar a entrada no prédio, cujo limite é de cem pessoas. Angélica informou que uma rádio local vai transmitir a sessão, além do site da Câmara. "Estamos analisando a possibilidade de instalar um telão na frente do prédio para a população acompanhar." 
A Comissão Processante (CP) instaurada para apurar o caso do "palco fantasma" enquadrou Fred Alves em três incisos do decreto 201 de 1967, que trata das responsabilidades de prefeitos, vices e vereadores no exercício do cargo, como "omitir-se ou negligenciar na defesa de bens, rendas, direitos ou interesses do município". 
Conforme a denúncia, a prefeitura pagou R$ 4,7 mil pelo aluguel de um palco em uma festa no município, mas acabou usando a estrutura que já pertencia à administração. "Durante a CP, o prefeito negou participação no problema, mas isso não ficou claro e os esclarecimentos restantes ficarão para o plenário", disse Angélica. 
Embora no Legislativo Fred tenha pouco apoio político, nas redes sociais surgiram diversos posicionamentos nos últimos dias, "gerando um clima de ataques velados e um certo desconforto na cidade", comentou a presidente. Em nota, o prefeito afirmou que "quando tomei conhecimento através da mídia, que uma possível irregularidade teria acontecido, imediatamente determinei ao controle interno da prefeitura que levantasse os fatos e que se fossem comprovados os mesmos, providências fossem tomadas". 
Ele fez críticas aos vereadores da oposição, como o relator da CP, Luiz Amâncio (PSDB), "ferrenho defensor do grupo político que deseja trazer de volta o último ex-prefeito da cidade". "Toda população sabe que dei um basta na velha prática política do passado do tomá la, dá cá e que a câmara é politicamente contra mim", diz Fred na nota. 
Após o início da sessão, devem ser lidos trechos do procedimento que tem 500 páginas; haverá tempo máximo de 15 minutos para cada vereador; duas horas para a defesa de Fred e, só depois, a votação.
Edson Ferreira
Reportagem Local FolhaWeb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia