Pesquisar

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Famoso pela Lava Jato, japonês da Federal é preso em Curitiba

Newton Ishii (à esq.) participou da prisão do empreiteiro Marcelo Odebrecht, entre outras da Operação Lava Jato | Brunno Covello/Gazeta do Povo/ArquivoO agente da Polícia Federal (PF) Newton Ishii, conhecido como “japonês da Federal”, foi preso na terça-feira (7) e está detido na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. De acordo com a assessoria de imprensa da corporação, a detenção atende a uma determinação da 4.ª Vara da Justiça Federal de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná.
Ishii foi condenado pela Justiça Federal por corrupção e descaminho. Ele e mais 19 policiais federais foram alvo da Operação Sucuri, deflagrada em 2003 para apurar um esquema formado por agentes da PF e da Receita Federal que facilitava o contrabando de produtos ilegais na fronteira com o Paraguai, em Foz. Em março deste ano, ele teve um recurso negado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que manteve a sentença.

Defesa

De acordo com o advogado Osvaldo Loureito de Mello, que defende Ishii, o agente se apresentou nesta terça-feira (7) espontaneamente à Polícia Federal e deve ficar preso apenas alguns dias. Segundo Mello, Ishii foi condenado a quatro anos e dois meses de prisão em regime semiaberto, sentença que foi confirmada pelo STJ. Nos próximos dias o agente deve deixar a carceragem e passar a cumprir prisão domiciliar, com o uso de tornozeleira eletrônica.

Fama e polêmicas

O ‘japonês da Federal’ ganhou notoriedade por aparecer nas fotos ao lado dos principais presos pela Lava Jato. Na esteira do sucesso, virou marchinha de sucesso no carnaval, máscara para a folia e até boneco de Olinda. Ishii também foi sondado por partidos políticos para eventual candidatura nas eleições de 2016, mas disse à Gazeta do Povo não ter interesse, por enquanto.
Em janeiro deste ano, a Polícia Federal passou a utilizá-lo em mais operações. Segundo fontes na instituição, a intenção seria de que sua imagem fosse associada a um chamariz contra a corrupção. Em fevereiro, ele visitou a Câmara dos Deputados, sendo tietado por parlamentares para fotos.
Ishii era investigado por suspeita de vazar informações sobre operações da PF. Em novembro, o policial foi apontado como responsável por vender informações sigilosas à imprensa pelo advogado do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, Edson Ribeiro,em gravação divulgada pelo filho de Cerveró, Bernardo.
Gazeta do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia