Pesquisar

segunda-feira, 14 de julho de 2014

No PR, eleição traz cerca de 30 ‘herdeiros políticos’

Richa, Requião, Barros, Borghetti, Belinati, Curi, Lupion... Como já se tornou "tradição", o eleitor paranaense irá mais uma vez se deparar com sobrenomes conhecidos nas urnas. De acordo com o DivulgaCand2014, sistema fornecido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pelo menos 27 "herdeiros políticos", isto é, integrantes de "clãs" com história no Estado, devem disputar as eleições proporcionais em outubro. Apesar de homologadas, as 309 candidaturas a deputado federal e 757 a deputado estadual ainda precisam da validação do órgão. 

Dois dos concorrentes ao governo do Paraná, o senador Roberto Requião (PMDB) e o atual governador, Beto Richa (PSDB), que é filho do ex-governador José Richa, fazem parte do grupo que apoiará parentes na corrida à Assembleia Legislativa (AL). O peemedebista é pai do advogado Maurício Requião Filho (PDMB), enquanto o tucano é primo do vereador de Londrina Gustavo Richa (PHS). Requião, aliás, também deve reforçar a campanha pelo sobrinho, João Arruda (PMDB), que tenta se manter na Câmara dos Deputados. 

Os casos de "dobradinha" baseada em DNA extrapolam os muros do Palácio Iguaçu. O empresário Walter Parcianello (PMDB), irmão do deputado federal Hermes "Frangão" Parcianello (PMDB), o vereador de Maringá Mário Verri (PT), irmão do presidente estadual do PT e deputado estadual, Enio Verri, e o ex-deputado estadual Alisson Wandscheer (PT), filho do deputado estadual Toninho Wandscheer (PT), buscarão vagas na AL, enquanto Walter, Enio e Toninho miram cadeiras em Brasília. 

Apesar de seus partidos integrarem coligações diferentes, Reinhold Stephanes (PSD) e o filho, Stephanes Junior (PMDB), conseguiram autorização da executiva do PMDB para dividir palanque nas corridas aos Legislativos federal e estadual, respectivamente. Felipe (SD) e Fernando Francischini (SD), assim como Luiz Renato (PSDB) e seu pai, o ex-secretário de Estado da Fazenda Luiz Carlos Hauly (PSDB), também vão se desdobrar em campanhas para as duas Casas. 

Conforme a FOLHA adiantou em fevereiro, além de Felipe e Luiz Renato, integram a lista de novos "herdeiros" postulantes à AL Tiago Amaral, filho do conselheiro do Tribunal de Contas (TC) e ex-deputado estadual Durval Amaral; Paulo Litro (PSDB), filho da deputada estadual Rose Litro (PSDB) e do ex-deputado estadual Luiz Fernandes Litro (PSDB); e Maria Victoria (PP), filha da deputada federal Cida Borghetti (Pros), vice na chapa de Beto, e do ex-secretário de Estado da Indústria e Comércio Ricardo Barros (PP). Cotado para também se lançar na disputa, na esteira do "puxador de votos" Ratinho Junior (PSC), o vereador de Curitiba Bruno Pessuti (PSC), filho do ex-governador Orlando Pessuti (PMDB), acabou desistindo. Já Cristina Silvestri (PPS), mulher do secretário de Estado da Casa Civil Cézar Silvestri e mãe do prefeito de Guarapuava, Cesar Silvestri Filho (PPS), fez seu registro no TSE.
Mariana Franco Ramos
Reportagem Local FolhaWeb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia