Pesquisar

sábado, 9 de agosto de 2014

Vereadores de São Jerônimo da Serra continuam em silêncio


Os vereadores de São Jerônimo da Serra (Norte Pioneiro) José Jacir Sampaio (PSD), Isaque Pereira Martins (PPS) e Amarildo Bueno (PR), embora tivessem manifestado informalmente o interesse em colaborar com as investigações, ficaram em silêncio durante depoimento ontem na sede do Ministério Público (MP) em Londrina. Eles foram presos temporariamente na quarta-feira, durante a Operação Sucupira, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que apura suposto desvio de recursos públicos. 

Afastamento de servidora
A servidora municipal de São Jerônimo da Serra Aline Moreira, que também estava presa em Londrina, foi liberada ontem, depois de prestar depoimento no MP. Segundo o promotor de Justiça Jorge Fernando Barreto da Costa, "ela trouxe informações importantes para as investigações e pedimos a revogação da prisão dela e o afastamento da função na prefeitura". O pedido foi deferido pela Justiça. Além dela, outro empresário também foi liberado ontem. Portanto, 11 pessoas permanecem detidas. 

Participação do prefeito
São estimados cerca de 80 depoimentos ao longo da investigação sobre supostos crimes contra o patrimônio público praticados no município. Ontem foram ouvidas 13 pessoas em São Jerônimo da Serra, entre suspeitas e testemunhas. De acordo com o promotor Jorge Fernando Barreto da Costa, "muitas suspeitas do Ministério Público, em princípio, foram confirmadas". "O prefeito (Adir dos Santos Leite, PSDB) seria uma das principais lideranças no esquema." Adir chegou a ser preso por posse ilegal de arma, mas pagou fiança de R$ 6 mil e foi solto. Conforme o MP, dois pedidos de prisão contra o tucano, por suposto envolvimento nas fraudes, foram negados pelo Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná. 

Exonerados
O advogado Maurício Carneiro protocolou ontem no TJ pedido de habeas corpus em favor de nove investigados, entre eles, os três vereadores e os dois filhos do prefeito de São Jerônimo da Serra, Adcarlos dos Santos Leite e Alisson dos Santos Leite. Adcarlos, segundo Carneiro, foi exonerado pelo pai do cargo de secretário de Administração. "Todos os comissionados foram exonerados e em relação aos efetivos o prefeito já pediu a abertura de sindicâncias", disse o advogado. 

‘Prisões ilegais’
Maurício Carneiro sustenta que não houve os crimes narrados pelo MP na Prefeitura de São Jerônimo da Serra. "Se existe participação do prefeito em alguma irregularidade, conforme diz o Gaeco, as prisões são ilegais porque a competência para analisar e deferir pedidos de prisão é do Tribunal de Justiça (pelo foro privilegiado do chefe do Executivo)." Segundo o advogado, não há justificativa para as detenções. "São para pressionar as pessoas a falar o que (os promotores) querem." 

Equipe da Folha com agências

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia