Pesquisar

sábado, 11 de abril de 2015

Ex-deputado André Vargas é preso em Londrina

Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
O ex-deputado federal André Vargas (sem partido) foi preso na manhã desta sexta-feira (10) em nova fase da Operação Lava Jato. Vargas foi localizado pela Polícia Federal no condomínio residencial onde mora com a família em Londrina. O irmão do político, Leon Vargas, também foi detido. 

A PF prendeu ainda os ex-parlamentares Luiz Argôlo (SD-BA) e Pedro Corrêa (PP-PE). Além da secretária de Argôlo, Elia Santos da Hora; de um suposto laranja de Corrêa, Ivan Torres; e do diretor de uma agência de publicidade, Ricardo Hofman. 

Vargas teve o mandato cassado por quebra de decoro no ano passado pela Câmara dos Deputados pela suposta ligação com o doleiro londrinense Alberto Youssef. Argôlo conseguiu concluir o mandato sem ser cassado pelo mesmo motivo por conta de um pedido de vista coletivo que impediu que seu caso fosse ao plenário. Corrêa foi condenado a sete anos e dois meses no processo do mensalão. 



A 11ª fase da Lava Jato foi batizada de "A Origem". Ao todo, a Polícia Federal cumpriu os sete mandados de prisão, 16 de busca e apreensão, nove de condução coercitiva (quando a pessoa é levada para prestar depoimento) em seis estados brasileiros e no Distrito Federal. Foi decretado o sequestro de um imóvel de alto padrão em Londrina. Não foi confirmado se a propriedade seria de André Vargas ou de Youssef. 

De acordo com a PF, a atual fase tem como bases a investigação feita em diversos inquéritos policiais e a baixa de procedimentos que tramitavam no Supremo Tribunal Federal, apurando fatos criminosos atribuídos a três grupos de ex-agentes políticos, que abrangem os crimes de organização criminosa, quadrilha ou bando, corrupção ativa, corrupção passiva, fraude em procedimento licitatório, lavagem de dinheiro, uso de documento falso e tráfico de influência. 

O órgão informou que a investigação abrange, além de fatos ocorridos no âmbito da Petrobras, desvios de recursos em outros órgãos públicos federais. 

Os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal. Procurado pelo Bonde no início da tarde desta sexta-feira, o advogado de André Vargas, João Gomes Filho, disse que estava indo para capital "tomar conhecimento do caso". Ele prometeu conceder entrevistas ao portal no "final do dia".

Redação Bonde

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia