Pesquisar

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Santa Casa de Cornélio volta a realizar cirurgias eletivas

Um convênio firmado entre a Prefeitura de Cornélio Procópio e a administração da Santa Casa de Misericórdia pode reduzir a fila de mais de 250 pessoas que esperam por cirurgias eletivas no município. O valor acertado é de R$ 540 mil, o contrato tem validade de um ano. Segundo o secretário Municipal de Saúde, Anderson Cristiano de Araújo, a maioria dos precedimentos é da área da ortopedia.

O valor acertado vale também para outras unidades hospitalares da região que já efetuam o procedimento. Define-se como cirurgia eletiva aquela considerada sem urgência e que permite escolher a melhor data para ser realizada. Segundo o secretário, o município conseguiu zerar a fila das cirurgias de hérnias e vesícula encaminhado pacientes para o hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. 

O convênio com a Santa Casa voltou a ser firmado depois de dois anos. Um desentendimento entre a prefeitura e o hospital cancelou as cirurgias que passaram a ser realizadas em outros hospitais. Segundo o prefeito Fred Alves (PSC), o convênio evitará o deslocamento de pacientes para outras cidades. "Nosso contrato prevê que a prefeitura vai pagar duas vezes mais do que a tabela do SUS. A área de ortopedia e a que mais temos pacientes aguardando cirurgia." O prefeito informou ainda que a secretaria municipal coordenará o convênio, marcando as cirurgias e mantendo os contatos necessários com a Santa Casa local. 

O diretor administrativo da Santa Casa, Oswaldo Alcântara, que representou o provedor José do Carmo Neto na assinatura do convênio, destacou a importância do contrato para as pessoas que esperam uma vaga nas cirurgias eletivas. Ele explicou que uma cirurgia é considerada de emergência quando o paciente corre risco de vida e exige uma intervenção médica de imediato. "O mesmo se aplica a pessoa acidentada que tenha fraturado a coluna ou afetado outro órgão e esteja correndo risco de vida. O quadro é de emergência e os cuidados serão sempre imediatos, de pronto atendimento."
Marcos André de Brito
Especial para a FOLHA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia