Pesquisar

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Mais Médicos começa com desistências


Os brasileiros que se inscreveram na primeira fase do programa Mais Médicos, do governo federal, começaram a se apresentar ontem às prefeituras paranaenses. Segundo a previsão do Ministério da Saúde (MS), 42 profissionais com diplomas do Brasil vão trabalhar em 17 cidades (Curitiba, Londrina, Maringá, Almirante Tamandaré, Araucária, Cambé, Campina Grande do Sul, Campo Largo, Cerro Azul, Colombo, Floresta, Guaíra, Marechal Cândido Rondon, Pato Bragado, Piraquara, São Miguel do Iguaçu e Sarandi). Entretanto, este número pode ser menor do que o esperado. Conforme a FOLHA apurou, pelo menos nas principais cidades ocorreram duas ausências (Londrina e Maringá) e uma desistência foi registrada em Curitiba. 

A situação foi registrada em outras partes do País. Em Brasília, por exemplo, dos 15 inscritos, apenas nove se apresentaram. Na cidade de Araguaina (TO), a estreia do programa também foi frustrada. Dos quatro médicos esperados, apenas um se apresentou. Dois disseram que não viriam e outro, que perdera o avião. O MS não tinha uma estimativa dos ausentes e que os médicos que tiveram algum impedimento e não se apresentaram ontem terão que enviar uma justificativa ao gestor municipal e negociar com eles a compensação dos dias não trabalhados. 

De acordo com o diretor do Departamento de Atenção Primária à Saúde da Prefeitura de Curitiba, Paulo Poli Neto, o programa é uma medida emergencial e temporária. Ele apontou que na capital existe um deficit de 100 profissionais para atuarem na saúde básica. Para isso, além da chegada dos profissionais do PMM, será realizado um processo seletivo simplificado (PSS) para contratar 60 médicos já neste mês. Também está previsto um concurso público em dezembro para contratação de mais 80 médicos. 

Na capital, dos seis médicos, três são de Curitiba e outros vêm do Pará, Amazonas e Rondônia. Eles serão encaminhados a seis postos de saúde da capital. Nenhum deles aceitou conversar com a reportagem. 

Outros 24 médicos que se formaram no exterior ou que são de outros países devem ser encaminhados para cidades paranaenses a partir do próximo dia 15. Em todo o Brasil, segundo o Ministério, 1.096 profissionais com diploma nacional ocuparam as vagas por meio do programa. Isto representa apenas 7% do total disponível em unidades básicas de saúde (15.460). A baixa procura atendeu um número reduzido de municípios. São 454 que serão contemplados com médicos, representando apenas 12% de toda a demanda (3.511).

Solicitação
Conforme Antônio Carlos Nardi, secretário de Saúde de Maringá e presidente do Conselho Nacional das Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), desde janeiro deste ano prefeituras de todo o País reivindicavam mais profissionais para atuar na saúde básica. "Não se trata de uma medida eleitoreira, como alegam algumas entidades. Por isso apoiamos integralmente o programa", ressaltou. Conforme Nardi, mesmo tendo uma baixa adesão durante a primeira fase, os mil profissionais que estão se dirigindo às cidades já vão fazer diferença. 


(Com Agência Estado)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa notícia