Pesquisar

quarta-feira, 29 de abril de 2015

João Sutil, de 97 anos, morador de São Jerônimo da Serra, mantém vitalidade física e mental por meio da dança de salão


Como se a vida tivesse aceitado prontamente e de bom grado o seu convite para dançar, João Sutil, 97 anos, segue sua trajetória lépido e feliz, tendo a dança como sua principal parceira nos últimos 16 anos, quando ficou viúvo após mais de 60 anos de casamento. Com boa coordenação motora, além de uma lucidez admirável, o lavrador aposentado não aparenta a sua idade quase centenária (a família suspeita até que ele já tenha 102 anos, mas ainda não conseguiu confirmar, pois o cartório que tinha o seu registro de casamento original, em Marilândia do Sul, pegou fogo). Apesar da idade avançada, que afeta parcialmente a sua audição, ele mora sozinho, em São Jerônimo da Serra, e esbanja disposição. Após a morte da sua esposa – Maria Carmelina de Souza, aos 77 anos - morar no sítio ficou mais complicado e o jeito foi arranjar uma casa na cidade para poder ficar mais perto da filha Maria dos Anjos Sutil, a "Dosanja" como é conhecida, que auxilia mais diretamente nos cuidados com o pai – como lavar e passar a sua roupa. Segundo João Sutil, ele nasceu em "13 de outubro de 1917". 


Mas quem pensa que a solidão flerta com ele está enganado: pé-de-valsa, ele está sempre participando dos bailes da terceira idade da redondeza e das "brincadeiras dançantes" nos barezinhos da cidade. Como o Bar do Chicão, em que um pequeno salão de repente se transforma em uma espaço de convivência e diversão. Viúva também há 16 anos, dona Cecília Lisboa Dias, 77 anos, costuma acompanhar os passos dançantes do colega. Mesmo depois de passar por uma cirurgia na perna, há três anos, ela não se intimida em dançar algumas músicas com o amigo que é primo do seu falecido marido. "E é só amizade", ela garante, embora o Seu João agora tenha fama de ser "namorador". 




Santa Casa de Cornélio volta a realizar cirurgias eletivas

Um convênio firmado entre a Prefeitura de Cornélio Procópio e a administração da Santa Casa de Misericórdia pode reduzir a fila de mais de 250 pessoas que esperam por cirurgias eletivas no município. O valor acertado é de R$ 540 mil, o contrato tem validade de um ano. Segundo o secretário Municipal de Saúde, Anderson Cristiano de Araújo, a maioria dos precedimentos é da área da ortopedia.

O valor acertado vale também para outras unidades hospitalares da região que já efetuam o procedimento. Define-se como cirurgia eletiva aquela considerada sem urgência e que permite escolher a melhor data para ser realizada. Segundo o secretário, o município conseguiu zerar a fila das cirurgias de hérnias e vesícula encaminhado pacientes para o hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. 

O convênio com a Santa Casa voltou a ser firmado depois de dois anos. Um desentendimento entre a prefeitura e o hospital cancelou as cirurgias que passaram a ser realizadas em outros hospitais. Segundo o prefeito Fred Alves (PSC), o convênio evitará o deslocamento de pacientes para outras cidades. "Nosso contrato prevê que a prefeitura vai pagar duas vezes mais do que a tabela do SUS. A área de ortopedia e a que mais temos pacientes aguardando cirurgia." O prefeito informou ainda que a secretaria municipal coordenará o convênio, marcando as cirurgias e mantendo os contatos necessários com a Santa Casa local. 

O diretor administrativo da Santa Casa, Oswaldo Alcântara, que representou o provedor José do Carmo Neto na assinatura do convênio, destacou a importância do contrato para as pessoas que esperam uma vaga nas cirurgias eletivas. Ele explicou que uma cirurgia é considerada de emergência quando o paciente corre risco de vida e exige uma intervenção médica de imediato. "O mesmo se aplica a pessoa acidentada que tenha fraturado a coluna ou afetado outro órgão e esteja correndo risco de vida. O quadro é de emergência e os cuidados serão sempre imediatos, de pronto atendimento."
Marcos André de Brito
Especial para a FOLHA

Mudança na ParanaPrevidência motiva protestos no PR; entenda

Os protestos dos professores na Assembleia Legislativa do Paraná nesta quarta-feira (29), em que mais de 200 pessoas ficaram feridas após enfrentamento entre a Polícia Militar e manifestantes, são motivados pelo projeto do governo estadual de mudar a forma de custear a Parana Previdência, o regime próprio da Previdência Social dos servidores paranaenses.
Os deputados estaduais aprovaram na quarta, em segundo turno, as modificações propostas pelo governador Beto Richa (PSDB). A administração estadual enfrenta problemas de caixa e a estimativa é que essas mudanças vão representar uma economia de R$ 125 milhões por mês.
Em janeiro deste ano, a Parana  Previdência pagava R$ 502.185.821,98 mensais em aposentadorias e pensões. É composta por três fundos: o Militar, o Financeiro e o Previdenciário.
Transferência
Pela proposta, 33.556 beneficiários com 73 anos ou mais serão transferidos do Fundo Financeiro para o Previdenciário.

O Fundo Financeiro é bancado pelo governo estadual. Já o Previdenciário é composto por contribuições dos servidores estaduais. Com essa mudança da origem do custeio, a administração economizaria mensalmente os referidos R$ 125 milhões.
O governo afirma que o Fundo Previdenciário está capitalizado em mais de R$ 8,5 bilhões em investimentos. Afirma que serão preservadas todas as garantias dos funcionários públicos, e que os cálculos atuariais realizados pelos técnicos garantem a solvência do sistema por 29 anos.
Mas os servidores alegam que a mudança comprometeria a saúde financeira da Parana Previdência, ou seja, faria que, com o tempo, a instituição tivesse mais a pagar do que a receber.
O projeto do governo estadual prevê que o Fundo Previdenciário terá ainda o aporte de R$ 1 bilhão a partir de 2021, com o reinício de repasse ao Estado dos royalties da usina de Itaipu, que garantiria a solvência do sistema por pelo menos 29 anos.
Em fevereiro, o governo estadual retirou um projeto apresentado na Assembleia e fez modificações antes de submetê-lo novamente à votação.
Do G1, em São Paulo

Professores e polícia entram em confronto durante votação na Alep

Protestos contra o projeto de lei que promove mudanças no custeio do Regime Próprio da Previdência Social dos servidores estaduais – a Parana Previdência –, aprovado nesta quarta-feira (29), deixaram centenas de feridos na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Pelo segundo dia seguido, houve confronto entre a Polícia Militar (PM) e professores, que são contra o projeto e estão em greve desde sábado (25).
Segundo a Prefeitura de Curitiba, 213 pessoas ficaram feridas, em mais de duas horas em conflito, com uso de bombas e tiros de balas de borracha. A Secretaria de Segurança Pública afirma que 20 policiais também ficaram machucados no tumulto. Sete pessoas foram presas, segundo balanço divulgado pela Polícia Civil.
Desde o início da sessão no Plenário, que começou por volta das 15h, o clima foi tenso do lado de fora do prédio da Assembleia. Às 16h, a polícia recebeu ordem para avançar sobre os manifestantes, que, em meio ao começo de conflito, tentaram ultrapassar a barreira humana feita pelos PMs para poder acompanhar a sessão.
Votação
Na manhã da terça-feira, os servidores tentaram chegar até a Assembleia para participar da segunda votação do projeto, mas foram barrados por um cordão policial e houve confronto. A sessão acabou sendo adiada para esta quarta, quando os deputados aprovaram o projeto em segundo turno e em redação final.

Assim, o projeto segue agora para sanção do governador Beto Richa (PSDB), autor da proposta. O projeto de lei muda a fonte de pagamento de mais de 30 mil beneficiários para o Fundo Previdenciário.
Com isso, o governo deixa de pagar sozinho essas aposentadorias e divide a conta com os próprios servidores, já que o fundo é composto por recursos do Executivo e do funcionalismo.
O governo diz que com a medida fará uma economia de R$ 125 milhões mensais.
Os servidores alegam que a mudança compromete a saúde financeira da Parana Previdência, ou seja, fará que, com o tempo, a instituição tenha mais a pagar do que a receber.
'Equilíbrio'
O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), disse que o projeto de lei aprovado na Assembleia Legislativa é viável e que garante solidez e equilíbrio da ParanaPrevidência. Além disso, o governador garante que não haverá nenhum prejuízo aos servidores estaduais.

Richa afirma que não há motivo para os professores da rede estadual entrarem em greve. Para ele, as críticas em relação às propostas têm cunho político e são "maldosas".
O governo estadual afirma ainda que o projeto não altera em nada o pagamento dos proventos para aposentados e pensionistas. Argumenta que o estado continuará arcando, mensalmente, com R$ 380 milhões para os benefícios de servidores civis e militares.
O que muda
A administração estadual enfrenta problemas de caixa e a estimativa é que essas mudanças vão representar uma economia de R$ 125 milhões por mês.

Com a aprovação do projeto pelos deputados, 33.556 beneficiários com 73 anos ou mais serão transferidos do Fundo Financeiro para o Previdenciário.
O Fundo Financeiro é bancado pelo governo estadual. Já o Previdenciário é composto por contribuições dos servidores estaduais. Com essa mudança da origem do custeio, a administração economizaria mensalmente os referidos R$ 125 milhões.
Adriana JustiDo G1 PR

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Governo promete descontar dias parados dos prefessores

O governo estadual determinou o desconto dos dias parados dos professores a partir de hoje, quando recomeça a greve dos docentes aprovada em assembleia do Sindicatos dos Trabalhadores em Educação do Paraná (APP- Sindicato). A categoria é contra mudanças na Paraná Previdência, como a autorização de transferência de recursos do fundo para o caixa do governo. Este projeto deve ser discutido nesta semana na Assembleia Legislativa. 

Por meio de nota, o governo informou que "eventuais faltas" serão descontadas da folha de pagamento de professores e funcionários. Além disso, o governo informa que a Procuradoria Geral do Estado ingressou com medidas judiciais para decretar a greve "ilegal e abusiva". 

O presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão, classificou o anúncio do desconto dos dias parados como uma "ameaça" e disse que a medida desobriga a categoria de repor as aulas após o fim da greve. Segundo ele, uma liminar do Tribunal de Justiça (TJ) estipula multa diária de R$ 100 mil caso o sindicato realize manifestações e bloqueios na Assembleia Legislativa. 

Em nota, o governo contestou a posição do sindicato sobre transferência de R$ 142 milhões por mês do Fundo de Previdência para os cofres do Executivo: "O Estado vai continuar depositando mensalmente R$ 380 milhões na Paraná Previdência. Os servidores continuarão contribuindo com o mesmo valor que recolhiam até agora: R$ 75 milhões. E o Estado continua depositando outros R$ 25 milhões mensais referentes aos royalties de Itaipu".
Rafael Fantin
Equipe Bonde

sábado, 25 de abril de 2015

Professores decidem retomar greve no Paraná

Assembleia realizada na manhã deste sábado (25) em Londrina confirmou a retomada da greve dos professores no Paraná. A mobilização está prevista para começar a partir das 10h de segunda-feira (27). A principal justificativa da categoria é a quebra de acordo do governador Beto Richa (PSDB) em relação ao regime de Previdência dos servidores. 

O projeto de lei que a altera a Paranaprevidência deve ser votado durante a semana pelos deputados estaduais. Na assembleia, os professores definiram uma nova mobilização em Curitiba para ocupar o Centro Cívico durante toda votação. 

Na segunda, os professores devem estar nas escolas orientando pais e alunos sobre a retomada da greve. Já na terça, a mobilização na capital paranaense deve ganhar o reforço dos servidores do restante do Paraná. 

A APP Sindicato deve visitar os parlamentares entre domingo e segunda para cobrar a retirada ou reprovação do projeto que modifica a Paranaprevidência. A classe deve organizar protestos contra Beto Richa e deputados aliados onde houver agenda pública. 

A última greve durou 29 dias entre fevereiro e março e atrasou o início do ano letivo. O movimento foi marcado pela tomada da Assembleia Legislativa até que o governo desistiu do "tratoraço" para aprovar o PL 252/2015.

Redação Bonde

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Prefeito Ricardo Mello entrega VAN e carros zero quilômetros para o município de São Jerônimo da Serra

Prefeito Ricardo Mello


Guilherme Secretário de Administração, Prefeito Ricardo e Juliano 

Nesta sexta feira (24) o prefeito de São Jerônimo da Serra, João Ricardo de Mello entregou uma Van com 15 lugares zero quilometro para a Secretaria Municipal de Saúde com recurso da Secretaria de Saúde do Estado da Saúde através do (APSUS) - Programa de Qualificação da Atenção Primária à Saúde, veiculo esse que será utilizado para transporte de pacientes que fazem tratamento médico em outros municípios, trazendo mais conforto e segurança a esses pacientes. 

Também foram entregues 03 (três) veículos Palio, sendo 01 para a ser utilizado pela administração da Prefeitura Municipal e os outros 02 (dois) para a Secretaria Municipal de Saúde, veículos esses adquiridos com recursos próprios do município. 

De acordo com o Prefeito Ricardo Mello nos próximos dias o município estará recebendo do Governo do Estado do Paraná, um recurso no valor de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais) através do (APSUS) - Programa de Qualificação da Atenção Primária à Saúde, recurso esse que será utilizado para aquisição de um micro ônibus para a Secretária Municipal de Saúde, onde o município estará entrando com uma contra partida, pois tal recurso não será suficiente para compra do micro ônibus. Com isso o prefeito Ricardo Mello vai melhorando o atendimento a população que procuram esse serviço, "e muito mais coisa vem por ai", nos informou o prefeito Ricardo Mello.


sábado, 11 de abril de 2015

OMS denuncia ‘epidemia’ de cesáreas; Brasil é líder mundial

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta para o Brasil como o líder em cesáreas e alerta que o aumento nas práticas em partos se transformou em uma "epidemia". A declaração foi feita em Genebra, em uma tentativa de convencer médicos, hospitais e mulheres para que repensem os partos. Para a OMS, cesáreas somente devem ser realizadas quando existem "motivos médicos". "Desde 1985, sempre dissemos que a taxa ideal de cesáreas seria de 10% a 15% dos partos em um país", disse Marleen Temmerman, ginecologista e diretora de Saúde Reprodutiva na OMS. "Mas o que vemos é um aumento dramático", decretou. 

Em 20 anos, todas as regiões do mundo registraram um aumento nos casos de cesáreas. "Há uma epidemia, mesmo quando não existe uma necessidade médica", declarou a diretora, indicando que mesmo na África a taxa também aumentou. Em média, a taxa de cesárias na Europa é de 20% a 22%, contra 15% há 20 anos. Já nos Estados Unidos, a taxa é de 32,8%. Sobre o Brasil, a OMS não poupa críticas. "O Brasil é o líder mundial", informou. Mais da metade dos nascimentos no País são realizados por cesáreas. Hoje, apenas dois países do mundo vivem essa situação em que partos naturais são minoria. O outro é o Chipre. 

"O que vemos é que, em duas décadas, os casos no Brasil aumentaram de forma exponencial", disse a diretora. Dados da OMS de 2011 mostram que 53,7% dos partos no Brasil eram cesáreas, a maior taxa do mundo. Em 2010, essa taxa era de 52,3%. As estimativas, porém, apontam que ao final de 2014 a taxa já teria chegado a 55%.

Jamil Chade
Agência Estado

Colisão deixa 5 mortos e 6 em estado grave no Norte do Paraná

Grave colisão registrada na PR-466 no final da noite de sexta-feira (10) deixou cinco pessoas mortas e outras seis em estado gravíssimo. O acidente aconteceu por volta das 23h, na zona rural de Ivaiporã (110 km ao sul de Apucarana). 

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a batida envolveu um Classic com placas de Ivaiporã e um Brava de Jundiaí (SP), cujo motor começou a pegar fogo após o impacto. As chamas foram controladas pelos bombeiros durante o resgate das vítimas. 

Morreram Izael Aparecido Ferreira, de 42 anos, Edson Medereiros da Silva (condutor do Classic), de 40, Natalino Pereira de Souza, de 32, e José Rutes Aires, de 60. O último era o motorista do Brava, enquanto os outros três estavam no carro paranaense. Há ainda uma quinta vítima fatal, cuja identificação não foi possível até o momento. 

No veículo de São Paulo estavam Matilde Thomaz Aires, de 59, Edinei Thomaz Aires, de 36 e Antônio Rutes Aires, de 50. Também viajavam no Classic de Ivaiporã Alessandro da Silva Ribeiro, de 28, Ronaldo Ribeiro, de 18, e Marcos José Ribeiro, de 23. Todos os feridos foram encaminhados a hospitais de Ivaiporã e permanecem em estado grave. 

Os corpos dos mortos foram levados ao IML de Apucarana para autópsia. A Polícia Rodoviária Estadual (PRE) investiga as causas do acidente.
Redação Bonde

Ex-deputado André Vargas é preso em Londrina

Gustavo Lima/Câmara dos Deputados
O ex-deputado federal André Vargas (sem partido) foi preso na manhã desta sexta-feira (10) em nova fase da Operação Lava Jato. Vargas foi localizado pela Polícia Federal no condomínio residencial onde mora com a família em Londrina. O irmão do político, Leon Vargas, também foi detido. 

A PF prendeu ainda os ex-parlamentares Luiz Argôlo (SD-BA) e Pedro Corrêa (PP-PE). Além da secretária de Argôlo, Elia Santos da Hora; de um suposto laranja de Corrêa, Ivan Torres; e do diretor de uma agência de publicidade, Ricardo Hofman. 

Vargas teve o mandato cassado por quebra de decoro no ano passado pela Câmara dos Deputados pela suposta ligação com o doleiro londrinense Alberto Youssef. Argôlo conseguiu concluir o mandato sem ser cassado pelo mesmo motivo por conta de um pedido de vista coletivo que impediu que seu caso fosse ao plenário. Corrêa foi condenado a sete anos e dois meses no processo do mensalão. 



A 11ª fase da Lava Jato foi batizada de "A Origem". Ao todo, a Polícia Federal cumpriu os sete mandados de prisão, 16 de busca e apreensão, nove de condução coercitiva (quando a pessoa é levada para prestar depoimento) em seis estados brasileiros e no Distrito Federal. Foi decretado o sequestro de um imóvel de alto padrão em Londrina. Não foi confirmado se a propriedade seria de André Vargas ou de Youssef. 

De acordo com a PF, a atual fase tem como bases a investigação feita em diversos inquéritos policiais e a baixa de procedimentos que tramitavam no Supremo Tribunal Federal, apurando fatos criminosos atribuídos a três grupos de ex-agentes políticos, que abrangem os crimes de organização criminosa, quadrilha ou bando, corrupção ativa, corrupção passiva, fraude em procedimento licitatório, lavagem de dinheiro, uso de documento falso e tráfico de influência. 

O órgão informou que a investigação abrange, além de fatos ocorridos no âmbito da Petrobras, desvios de recursos em outros órgãos públicos federais. 

Os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal. Procurado pelo Bonde no início da tarde desta sexta-feira, o advogado de André Vargas, João Gomes Filho, disse que estava indo para capital "tomar conhecimento do caso". Ele prometeu conceder entrevistas ao portal no "final do dia".

Redação Bonde

quinta-feira, 9 de abril de 2015

ACIDENTE COM ÔNIBUS DA PREFEITURA DE ANDIRÁ TIRA A VIDA DE UM MOTOCICLISTA



Ônibus da prefeitura de Andirá se envolveu em um acidente agora a tarde na BR 369 perímetro urbano de Andirá, onde vitimou um morador da cidade de Andirá, amigos estão chocados.Andirá está mais triste nesse final de tarde de quinta feira,Luciano da Mota 41 anos , mais conhecido como (Luciano da farmácia) perdeu a vida neste lamentável acidente, ele estaria completando depois de amanhã 42 anos.A Polícia Cívil e Polícia Federal vão investigar as causas do acidente.

fonte - face do radialista VILSON MORENO

Tribuna de Amoreira

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Avaranda Lounge Bar Apresenta: *** SABÁDO ACÚSTICO ***

Dia 11 de Abril, com inicio as 23:00 Hrs, um dos melhores shows acústico de toda região, com o cantor ALISON ARIOSI, você não pode perder !!!
*Courvert e Mesas Limitados*
Primeiro Lote: R$: 10,00 (Convites já a venda)

Maiores Informações:
Tel/Whats.: (043) 9137-3683
www.avarandaloungebar.com.br

terça-feira, 7 de abril de 2015

Justiça determina regularização do horário de funcionamento de caixas eletrônicos no Paraná


A Justiça determinou ao Banco do Brasil a retomada do funcionamento de seus caixas eletrônicos em Barbosa Ferraz (Centro), durante todos os dias da semana, inclusive nos feriados, até as 22 horas, sob pena de pagamento de multa diária no valor de R$ 10 mil. A decisão liminar, proferida nesta segunda-feira (6), partiu de ação civil pública ajuizada pela Promotoria de Justiça da Comarca. 

A instituição financeira restringiu o horário de operação dos caixas eletrônicos do posto de atendimento do município, alegando necessidades impostas por viabilidade econômica e por questões de segurança dos usuários. Desde então, os caixas do BB na cidade permaneciam disponíveis para saques e depósitos apenas das 9 às 17 horas e, para as demais transações, até as 19 horas. Eles não vinham funcionando aos sábados, domingos e feriados. 

Conforme argumentos expostos na ação, a conduta do banco "constitui comportamento contraditório ao inicialmente ofertado e contratado com diversos consumidores e residentes de Barbosa Ferraz, que tinham a legítima expectativa da prestação de um serviço de atendimento nos caixas eletrônicos, durante todos os dias da semana, até as 22 horas, da mesma forma que procede a mesma instituição financeira em outras cidades, especialmente nos grandes centros urbanos". 

A Promotoria de Justiça destaca também que a instituição financeira, por exercer uma atividade de risco, é responsável pela segurança dos clientes e não pode, por livre iniciativa, transferir o risco de sua atividade para os destinatários finais de seus produtos e serviços. Dessa maneira, além da regularização do horário dos caixas eletrônicos, a Justiça determinou, liminarmente, que o banco adote ações preventivas de segurança para proteger seus consumidores.

Redação Bonde com MP-PR

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Copa Amunop volta ao calendário esportivo da região

Para promover a integração dos municípios por meio do esporte, a diretoria da Associação dos Municípios do Norte do Paraná decidiu voltar a promover a Copa Amunop de Futebol. Segundo a presidente da entidade, Clea Márcia Bernardes de Oliveira, prefeita de Leópolis, o retorno da competição foi motivado pela maioria dos prefeitos da associação. "Vamos promover novamente a Copa Amunop porque o futebol é o esporte mais popular do nosso país e na nossa região não é diferente. Além da integração dos municípios, a copa é uma oportunidade de revelar novos valores para o futebol em nossa região", destacou. 

Durante reunião, realizada na última semana com a participação de 13 dos 19 municípios que integram a Amunop, o prefeito de Nova Fátima, Nilson Xavier foi eleito para coordenar o campeonato, ao lado do esportista Airton Dias, da Liga de Futebol de Cornélio Procópio. As outras cinco cidades que não participaram da reunião têm um prazo para confirmar sua participação. 

Nilson Xavier disse a entidade já definiu os nomes da comissão técnica, formada por secretários, assessores e diretores de esportes de cidades que participaram do campeonato. Esta comissão, ao lado da coordenação geral vai definir todos os critérios técnicos para a realização da Copa Amunop, prevista para ter início a partir de junho. Segundo ele, só poderão participar da copa os atletas que residam em suas cidade. 

"Na reunião com todos os participantes, prevista para o dia 20 de abril, vamos definir a tabela de jogos, a comissão de arbitragem e demais detalhes sobre a copa, que este ano deverá superar as expectativas", presume. Participaram da reunião representantes de Cornélio Procópio, Leópolis, Nova Fátima, Santo Antônio do Paraíso, Rancho Alegre, Santa Amélia, Bandeirantes, Santa Mariana, Sertaneja, Nova América da Colina, São Sebastião de Amoreira, Itambaracá e Uraí.

Marcos André de Brito
Especial para a FOLHA